Berimbau e suas grandes características

Será que descobriram tudo sobre o Berimbau?

Sua origem se perde na poeira dos milênios, porque o instrumento nada mais é que um modelo de arco. Um dos primeiros instrumentos usados pelo homem para produzir sons, há quase 20 mil anos.

A grande dúvida dos estudiosos, até hoje sem resposta, é se foi o arco usado para atirar flechas que deu origem ao arco musical – tataravô do berimbau – ou se ocorreu o contrário. Seja como for, o instrumento ganhou a forma que tem hoje entre as antigas tribos nativas africanas.  Na África, ele marca presença como acompanhamento musical de rituais fúnebres e religiosos.

Tudo indica que ele teria chegado ao Brasil já em 1538, junto com os primeiros escravos. Aqui, ele passou a ser identificado como elemento típico da capoeira.

Foi usado, no século XIX, por escravos recém-libertados para atrair compradores para os doces que vendiam nas ruas.

Instrumento

O berimbau é um instrumento de corda de origem angolana.

Em grande parte do continente africano  também é conhecido por m’bolumbumba  e utilizados entre os quimbundos,ovambosnyanekashumbis .

No Brasil, também é conhecido por berimbau, urucungo, hungo, oricungo, uricungo  entre outros.

O berimbau é um instrumento sofisticado, capaz de emitir várias sonoridades.É constituído por uma vara em arco, de madeira ou verga, com um comprimento aproximado de 1,50 metros a 1,70 metros e um fio de aço (arame) preso nas extremidades da vara. Na sua base, é amarrada uma cabaça com o fundo cortado que funciona como caixa de ressonância.

Berimbau na roda o tocador de hungo usa a mão esquerda ou a direita para sustentar o conjunto e pratica um movimentos de vai e vem contra o ventre, utilizando uma pedra ou uma moeda (dobrão), para pressionar o fio, a mão direita, com uma vaqueta , percute a corda.

O berimbau é um elemento fundamental na capoeira, sendo reverenciado pelos capoeiristas antes de iniciarem um jogo. Alguns o consideram um instrumento sagrado.

Ele comanda a roda de capoeira, dita o ritmo e o estilo de jogo. 

As  variações dos toques têm nomes específicos .

Os toques  mais comuns na roda de capoeira são “Angola” e “São Bento Grande , Benguela e Iúna”. Na capoeira,  três berimbaus podem ser tocados conjuntamente, cada um com uma função  definida.

Característica do berimbau gunga médio e viola.

Um Gunga – Berimbau de cabaça grande e som grave, cuja função é marcar o toque base de todos os instrumentos , além de coordenar o ritmo de jogo dos capoeiristas.

Um Médio – Berimbau de cabaça de tamanho médio , pouco menor que a do gunga . produz som médio grave e tem a função de marcar , tocando o inverso do toque do Gunga.

Um Viola – Berimbau de cabaça menor, produz som agudo e tem a função de solo e improviso.

Afinação berimbau

A afinação do berimbau na capoeira é definida.

O berimbau é um instrumento microtonal, e pode ser afinado na mesma altura, variando apenas no timbre. A nota baixa do médio é afinada com a nota alta do gunga, o mesmo se procedendo em relação ao viola para com o médio.

Altura: agudo, médio, grave.

Intensidade: forte, fraco.

Duração: longo, curto.

Timbre: é a característica de cada som, o que nos faz diferenciar as vozes e os instrumentos

Conceitos

Som: são as vibrações audíveis e regulares de corpos elásticos, que se repetem com a mesma velocidade, como as do pêndulo do relógio. As vibrações irregulares são denominadas ruído.

Ritmo: é o efeito que se origina da duração de diferentes sons, longos ou curtos.

Melodia: é a sucessão rítmica e bem ordenada dos sons.

Harmonia: é a combinação simultânea, melódica e harmoniosa dos sons.

Variações dos toques

Ritmos

Angola: não toca a última batida da sequência básica (Dom.Dim…)é tocado com o  berimbau gunga.

São Bento Pequeno (ou Angola Invertido): similar ao Angola, mas com os tons altos e baixos invertidos (xx Dim.Dom…); é tocado com o berimbau médio e o viola faz as variações das viradas.

São Bento Grande de Bimba (ou Regional): inventado por Mestre Bimba, é tocado em um padrão de duas barras (xx m.xx Dim.|Dom.Dom.Dim.).

Benguela: (Dom.Dim.Dim.)

Idalina (L.’xL|xxL.L.H.)

Amazonas (xxLLxxLH|xxLLLLLH), todos derivados do padrão   básico da capoeira.

Capoeiristas também tocam :

Samba, antes ou depois de jogarem capoeira; com toques próprios, derivados do samba de roda (xx H.xx H.xx.H.HH.). A maioria dos toques de capoeira deriva de uma estrutura básica de oito unidades: xxIII
Legenda. = pausa
x = zumbido
L = tom baixo
H = tom alto
(…) = compasso de 2 ou 4 batidas, 8 a 16 subdivisões/unidades
(..|..) = dois ou mais compassos
(Nota: todos os caracteres possuem o mesmo tempo)

Toques

As variações dos toques (ritmos) do berimbau são inúmeras, entre elas:

Angola: não toca a última batida da sequência básica (xxL.H…).

São Bento Pequeno (ou Angola Invertido): similar ao Angola, mas com os tons altos e baixos invertidos (xxH.L…); geralmente tocado com o berimbau médio, enquanto se toca o toque Angola no berimbau mais grave.

São Bento Grande de Bimba (ou Regional): inventado por Mestre Bimba, geralmente tocado em um padrão de duas barras (xxL.xxL.|xxL.L.H.).

São Bento Grande de Angola: adicionou uma batida extra ao toque São Bento Pequeno (xxH.L.L.). São Bento Grande possui ainda uma variação regional (L.x H.L.|L.x H.L.L).

Iúna: toque para reverenciar aos antepassados (L-L-L-L-L-xxL-L.).

Cavalaria: usado no passado para avisar os capoeiristas da aproximação de policiais—existem variações (L.xxL.xxL.xxL.H.).

Santa Maria: uma transcrição em quatro barras dos corridos “Santa Maria” e “Apanha Laranja no Chão Tico Tico”. (xxL.LLL.|xxL.LLH.|xxH.HHH.|xxH.LHL.).

Benguela: (xxL.H.H.)

Entre outros toques, destacam-se o Idalina (LxH|xxL.L.H.) e o Amazonas (xxLLxxLH|xxLLLLLH), todos derivados do padrão básico da capoeira.

Capoeiristas também tocam samba, antes ou depois de jogarem capoeira, com toques próprios, derivados do samba de roda (xx H.xx H.xx.H.HH.).

BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO BERIMBAU

Aprendizagens psicomotora corporal (uso do instrumento e corpo)
 Noção da Lateralidade, de dominância com o instrumento.

A orientação temporal dos toques
Exercícios motores com o instrumento, trabalhar coordenação motora e equilíbrio estático e dinâmico, percepção rítmica.
Coordenar toque e canto, toque e palma, toque e contra toque.

Físico: oferece atividades capazes de promover o alívio de tensões devidas à instabilidade emocional e fadiga;

Psíquico: promovendo processos de expressão, comunicação e descarga emocional através do estímulo musical e sonoro;

Mental: proporcionando situações que possam contribuir para estimular e desenvolver o sentido da ordem, harmonia, organização e compreensão

Berimbau instrumento fenomenal

O tocador de berimbau e um artista; o teu som que encanta povos faz acender a alma dos guerreiros que vivenciaram um dia nas suas lutas que marcaram  a história por suas culturas !O berimbau desperta emoção:

faz chorar

faz sorrir

faz apaixonar

Faz lembrar

Enfim é um instrumento sagrado e que consagra quem sabe usá-lo com alegria amor e determinação! Sua história está gravada nas gerações passadas onde podemos reviver e aprender.

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s